Ao falar de fotografia, geralmente o foco são as câmeras, as técnicas, as lentes e, até mesmo, as possibilidades de tratamento em softwares de edição, com isso, a parte mais importante da arte acaba sendo deixada de lado: a composição, uma foto feita com um equipamento simples que seja bem composta ainda é uma imagem muito mais relevante do que uma captura feita com equipamento de ponta, mas sem nenhuma preocupação com sua estética, engana-se quem acredita que, para fotografar bem, basta comprar uma câmera “grande” e entender de Photoshop, uma boa composição não pode ser feita com programas de edição e pode depender, no máximo, do tipo de lente utilizada.

Escuto alguns mitos desde que comecei a me interessar pela fotografia, e eles continuam aparecendo ainda hoje. Não acredite! Canon é melhor que Nikon, ou Nikon é melhor que Canon, Escuto bastante gente comentando que “ouviu dizer que tal marca é mais nítida” ou “que tal marca é mais barata”. A verdade é que todas são caras e todas tem diferenças muito pequenas na qualidade técnica final da imagem. Diferenças que normalmente não são nem visíveis.

A Nikon D90 foi (ou ainda é) considerada por muitos uma lenda, mas a sua sucessora (a D7000) se mostrou muito superior, tanto que levou quase dois anos e meio para ter uma sucessora, durando um pouco mais que sua antecessora "lendária". Não acredito que a D7000 saia imediatamente de circulação, assim como ocorreu com a D90 que até hoje ainda é vendida mas terminou ficando muito defasada em relação à concorrência e seu preço hoje não configura um bom custo-benefício. Vamos conhecer a sua nova reflex de nível intermediário, a Nikon D7100.

Voltar ao Topo